segunda-feira, 22 de março de 2010

Consciência Cristã Lógica e Fé

Movidos pela razão, alguns repreendem o próprio Deus

Embora houvesse tantas profecias a respeito da vinda e das ações de Cristo, ele conseguiu surpreender a todos. Os magos do oriente, por exemplo, esperavam que o rei dos judeus nascesse no palácio real, não em uma estrebaria.

João Batista também foi surpreendido por Cristo. Ele havia dito: “Eu vos batizo com água, para arrependimento, mas aquele que vem após mim... vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.” (Mt 3.11). Sua profecia foi perfeita e esta era a expectativa de João. Entretanto, Jesus chega e entra na fila para ser batizado. João quis impedi-lo, dizendo: “Eu careço de ser batizado por ti e vens tu a mim”? (Mt 3.14). O raciocínio de João foi perfeito. Ele sabia que era um pecador e que precisava ser batizado, e que o mais “correto” seria que Cristo, que não tinha pecado, o batizasse.

Notamos que João usou a razão para resolver um assunto espiritual, mas não alcançou os pensamentos de Deus. É lógico que não poderia alcançar, mas muitas pessoas colocam seu raciocínio como máxima instância para tudo em suas vidas, deixando de lado a palavra de Deus e a fé.

Jesus não disse que João estava errado. Apenas respondeu-lhe: “Deixa agora; porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então ele consentiu.” (Mt 3.15.)

É importante lembrar que João nunca viu Jesus batizar alguém com o Espírito Santo, como ele havia predito. Então, as coisas podem ter ficado um pouco confusas para ele.

Vejamos outra cena que mostra o confronto entre a lógica humana e os propósitos de Deus:
Quando Jesus disse que deveria ir a Jerusalém para morrer e ressuscitar, isto foi demais para a mente dos discípulos. Naquele momento, Pedro concluiu que Jesus estava errado, e começou a repreendê-lo, dizendo:

“Tenha Deus compaixão de ti, Senhor; isso de modo nenhum te acontecerá. Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não estás pensando nas coisas que são de Deus, mas sim nas que são dos homens.” (Mt 16.21-23.)

Pedro ainda não havia se convertido (Lc 22.32), e sua razão era, eventualmente, usada por Satanás. Não é o que acontece com muitas pessoas ainda hoje?

“Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.” (1Co 1.18.)

Em outra ocasião, Jesus, tomando a toalha e uma bacia com água, começou a lavar os pés dos discípulos. Aquilo foi surpreendente para todos. Pedro, como sempre, não conseguiu ficar calado, e tentou impedir o Senhor de lavar-lhe os pés. O Mestre, porém, lhe disse: “Se eu não te lavar os pés, não tens parte comigo.” Então, ele permitiu (Jo 13.8).

Muitas outras vezes, Jesus contrariou ou superou todas as expectativas, principalmente quando realizava seus milagres.

Nós também, em nossa caminhada com Deus, não devemos pensar que ele agirá dentro da previsibilidade da lógica humana. Muitos filhos do Senhor estão questionando as ações divinas. Por quê isso? Por quê aquilo? Quantos se revoltam contra Deus por não entenderem seus desígnios? Vamos resistir à sua vontade? Somos mais sábios do que ele? O caco de vaso vai repreender o oleiro? (Is 45.9; Rm 9.20-21). De modo nenhum.

Diante de tantos fatos incompreensíveis em nossas vidas, vamos nos prostrar perante o Senhor, em atitude de adoração, como fez Jó (1.20), sabendo que coisa alguma foge ao seu controle. Precisamos nos render aos seus pés, dizendo como Maria: “Cumpra-se em mim conforme a tua palavra” (Lc 1.38.) Nem sempre vamos compreender, mas é preciso obedecer.

A lógica humana, embora seja excelente e muito útil, está limitada pelo conhecimento que possuímos. Deus vê além. Ele sabe de todas as coisas, e fará com que elas cooperem juntamente para o bem daqueles que o amam (Rm 8.28).

::Por Anísio Renato de Andrade

Bacharel em Teologia
www.anisiorenato.com

Nenhum comentário: